Páginas

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Tarifa Zero: O que a reforma política tem haver com isso?

A cada ano vemos a mesma cena: aumento da tarifa do transporte público e melhoria zero. Jovens se organizam, fazem manifestações, algumas com conquistas, como nesse ano em Porto Alegre, Goiânia e Manaus, outras sem avanços... Entra governo, sai governo, a cena se repete. 

Ocorre que a cada dia ficam mais espertos: em Salvador, por exemplo, eles (o governo municipal e o lobby do SETEPS) aprenderam a aumentar a tarifa durante o período de férias escolares, assim impedem a rápida organização de protestos.

Em muitas cidades o uso da força policial contra manifestações pacifica chega a ser brutal.

Não adianta, ano que vem vai aumentar novamente. Aqui, ai ou em qualquer outra cidade. Sabe por quê? Aquele candidato, do teu bairro, recebeu dinheiro da cúpula dos transportes para fazer a campanha eleitoral. Aquele outro candidato, que tu viu na TV, recebeu dinheiro da máfia dos transportes para poder fazer o material da campanha...

Sabe aquele candidato, que tu votou nele só porque acha que ele é bonzinho, e até acha que o partido dele não presta? Ele também se vendeu para as empresas de transporte.

Essas concessões para as empresas de transportes que ocorre? Ela é votada e aprovada pelos políticos que receberam ajuda financeira dessas mesmas empresas durante a campanha eleitoral.

Você ta entendendo que é um ciclo? Você entende que o vereador, deputado, prefeito, independente de que partido ele for, vai ficar refém de inúmeras cúpulas e máfias financiadoras de campanha? (não é só das empresas de transporte, a máfia do lixo é bem conhecida também!)

Como forma de modificar essa história que se repete, as vezes mudando o cenário, mais nunca o plano de fundo, existe uma lei de iniciativa popular que propõe a reforma do sistema político no Brasil.

O Partido dos Trabalhadores e Trabalhadoras está fazendo uma campanha, Assine com o PT, apresentando quatro pontos fundamentais para mudar esse sistema vicioso da política: 1. o financiamento público exclusivo de campanhas políticas, 2. o voto em lista preordenada para os parlamentos, 3. o aumento compulsório da participação feminina nas candidaturas e 4. a convocação de Assembléia Constituinte exclusiva sobre a reforma política.

Essas ações são fundamentais para termos conquistas como a Tarifa Zero!

A reforma política vai acabar com essa orgia de políticos que se acham detentores do poder. Os mandatos, de cargos eletivos, são de poder do povo, da cidadania. É a vontade popular, expressa pelo voto, que precisa ser garantida, defendida e apresentada. 

A Fidelidade Partidária trás consigo a educação do povo sobre o sistema eleitoral e os programas partidários. A troca de partido, sem motivação programática, resultará em perda automática do mandato da/o eleita/o. 

Essa medida trará mais segurança para nós, eleitores, que saberemos a quem cobrar pelo não cumprimento do programa. Teremos clareza dos objetivos de cada partido, democracia para participar e cobrar resultados, entendimento para votar pelas propostas e não pelo coleguismo ou clientelismo. 

Com a reforma política também podemos garantir o fim dos privilégios dos parlamentares, como por exemplo, férias de 60 dias, 14º e 15º salários, do foro privilegiado e da imunidade parlamentar para que estes não sejam usados como instrumentos para a impunidade.

Agora você entende que não pode ser apenas pelos vinte centavos? O povo ta cansado, a juventude nunca esteve dormindo, agora é a opinião popular ganhando corpo. E isso não se trata de ser contra o governo, ou um governo, é contra um sistema!