Páginas

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Aos meus companheiros/as!

Esse texto simples, mas ao passo que escrevo me lembro mais e mais de como foi bom viver cada momento, então, por favor, desconsiderem a má formação dele, tem mais emoção para mim do que outra coisa.
.
Pensei diversas vezes o que iria escrever para desejar de ano novo para meus amigos e companheiros. Li algumas mensagens essa semana, e me perguntei por que todos querem tanto mandar 2013 para bem longe. O ano que se finda foi marcado de muitas lutas, labutas... Mas como não há paz sem guerra, agradeço o ano de 2013, que me proporcionou muita militância!

Meu primeiro agradecimento é sem duvida aos militantes da juventude na Bahia. Esses que acreditaram em mim, que me acolheram no momento de maior conflito político e pessoal que vivi. Que me apresentaram o que é ser petista e me fizeram acreditar nesse projeto chamado Militância Socialista! O Estopim estará sempre marcado em minha história, e quero contribuir diariamente na construção dele até os meus 30 anos (ainda faltam oito anos). Depois disso ainda quero contribuir, nem que seja na orientação – sem tutelar viu?

Quero agradecer a Militância Socialista de Santa Catarina que me recepcionou em seu estado. O nível dos debates ai é muito bom e pude aprender muita coisa sobre organização e formulação. Agradeço também aos pacientes ouvidos que me aturaram nos momentos de certezas absolutas, de duvida, de questionamento e de contradição.

A vitória de um projeto genuinamente petista em Santa Catarina, com a conquista que a MS teve obtendo a presidência do PT Estadual e da Capital focado na candidatura própria para o governo do estado e na reconstrução do partido; bem como a vitória política na Bahia, com a ousadia que tivemos de montar chapa própria para disputar o PED, rodar o estado sem um papel impresso, só com o discurso e prática da antiga esquerda, a vontade de incendiar corações e mentes daqueles que já estavam se esvaindo e a atração de filiação de tantos novos atores pela esquerda ao partido, me faz sonhar ainda mais, e sem dúvida mostra de onde e para onde o PT deve caminhar!

Quero agradecer também as inúmeras conversas com nossos dirigentes nacionais, Renato e Maristella, a ‘paciência’ de vocês é ‘quase’ revolucionaria (risos). Um agradecimento enorme a toda juventude da MS, que me atende sempre com o maior carinho e atenção.

Agradeço aos bons e frutíferos bate papo que tivemos agora no V Congresso, não da para colocar estado por estado aqui, mas se temos representantes tão bons nesses locais já quero conhecer a militância por todo o Brasil, aprender com vocês é sempre um prazer.

Queria trazer uma observação sobre o PED:
Apesar das contradições que o PED apresenta, e não vou me ater aqui ao fato de ser contraria a ele, conseguimos com muito trabalho e militância permanecer na executiva do PT. Essa conquista do IV Congresso, da paridade de gênero e cota de juventude e de índio/negros traz ainda muitos desafios. Não podemos aceitar que a nomeação seja feita em números impares, considerando apenas a indicação dos homens, nem mesmo podemos achar que indicar um/uma jovem para as instâncias partidárias é um peso, uma carga negativa. Essas são nossas conquistas e não nosso castigo.

Os desafios já foram grandes para essa tendência que existe apenas há dois anos. Mas agora precisamos avançar! E os desafios serão ainda maiores. Superar o machismo, sexismo e o preconceito geracional que existe entre nós, por exemplo, é prioridade. Desejo então muita força e coragem as nossas mulheres, Maristella e Natalia, bem como ao Paludo, que nos representaram agora no diretório do PT, para vigiarem constantemente suas práticas e ações e impulsionarem uma formação socialista em cada lugar que alguém disser: sou MS.

Meu desejo para 2014 não pode ser diferente do que peço cotidianamente: força e coragem para lutar, muita formação e sabedoria para sabermos o caminho, audácia e convicção para ousarmos e muita clareza do horizonte que buscamos – o socialismo!

Espero poder contribuir cada dia mais na construção da MS, do PT e da esquerda. Há braços de luta!